domingo, 18 de agosto de 2013

Dicas para o dia a dia de um cadeirante

Olá pessoal, hoje venho apresentar a todos, mais um colaborador do nosso blog: Alessandro Fernandes, ele tem um blog muito bom o Blog do Cadeirante http://www.blogdocadeirante.com.br, não deixem de conferir, lá tem ótimas dicas. E uma vez por mês ele estará nos trazendo uma matéria diferente. 

Dirigindo seu carro
"Combinei com as meninas de trocar posts em nossos blogs, e hoje venho aqui falar sobre o que mais entendo: dicas para melhorar o dia a dia, e consequentemente, a qualidade de vida de um cadeirante. Esse é um dos principais objetivos do meu blog, ajudar os cadeirantes a lidar com os desafios do dia a dia e ser cada vez mais independente.
O dia a dia de um cadeirante não é fácil. Começa, literalmente, ao levantar. Levantar da cama sem ter todos os músculos para ajudar pode se tornar uma tarefa complicada. No Hospital Sarah, a gente aprende a rolar na cama e levantar usando os músculos que funcionam, mas eu descobri um pequeno detalhe que ajuda mais: colchão com pillow top. É aquela camada de espuma por cima do colchão, que deixa uma pequena aba na lateral.
Segurando esta aba, levantar fica mais fácil. Aí vem mais um desafio: vestir roupa. Tem gente que prefere se vestir deitado, acham mais fácil, mas eu prefiro sentado na cadeira. A técnica que uso para vestir calça é puxar a calça até o meio da coxa, me apoiar nos para lamas da cadeira e, segurando a calça com os dedões, “pulo” dentro da calça. Depois, para acertar, enfio a mão pelas costas e puxo a calça até acertar. Uma dica que dou é preferir calças de tecido escorregadio, como nylon e aqueles de calças sociais. Eu uso calça social todo dia para trabalhar, ela facilita entrar e deslizar o corpo.
Vestido e pronto pra luta, vem o que considero um dos principais desafios: locomoção. Ônibus? Táxi? Carona? Carro próprio? Eu sempre recomendo a última opção. Carro próprio te dá liberdade, independência.E com as isenções que temos direito, fica mais fácil adquirir um veículo e adaptar. E acho o trânsito um dos locais mais inclusivos que existem, todo mundo ali está sentado, fazendo a mesma coisa, com os mesmos direitos.
Aí me dizem: “não trabalho, não tenho grana para comprar carro que faço para sair de casa todo dia?” Transporte público, ou então se o pai ou a mãe puder te levar, eles podem comprar um carro com isenção do mesmo jeito, mesmo só para te levar, pois agora deficiente não condutor tem isenção total de impostos. Ok, ainda tá difícil? Não tem uma linha de ônibus adaptado perto da sua casa? Peça na prefeitura. Justifique, brigue, corra atrás.
Trabalhando
Mas sair de casa todo dia pra que? Estudar ou trabalhar ué. Cadeirante tem sim que estudar, se aprimorar, e trabalhar. A não ser que seja milionário.  Se não for, o caminho é o mesmo de todo mundo, ralar e conquistar um lugar no mercado de trabalho, na sociedade. Ainda está difícil sair de casa para estudar? EAD, ou Ensino à Distância. Aí não precisa sair de casa para estudar. Há ótimas faculdades a distância por aí.
E para conseguir emprego, tá difícil? Sim, é muito difícil, principalmente em empresas privadas. A maior parte das vagas que as empresas reservam para deficiente é de baixa qualificação e complexidade. A dica que dou, então, é concurso público. Entre num curso preparatório, estude, e busque sua vaga. Infelizmente, é a melhor opção para um deficiente conseguir um bom emprego e ser respeitado como igual. Tem muito deficiente que recebe aposentadoria por invalidez e acha que não vale a pena correr atrás de emprego, pois vai se desgastar e não vale a pena. A verdade é que, correndo atrás de emprego, é possível conseguir receber duas, três, quatro ou mais vezes o que o INSS paga. E com isso melhorar sua qualidade de vida.

Com sua esposa em momento de lazer
Ao final de um dia de trabalho, ou no fim de semana, hora de relaxar, sair com os amigos ou com a namorada. Fácil? Também não. Nesse quesito sugiro sempre o planejamento. Procure informações sobre o lugar, se tem estacionamento perto, se tem acesso para cadeira de rodas, se tem banheiro adaptado, se a mesa é adequada para cadeira de rodas. O ideal é ligar para o lugar escolhido e confirmar todas estas informações antes de sair de casa, para não passar raiva.


No fim das contas, a dica mais importante é: corra atrás. Não fique parado, não se deixe vencer pela deficiência. Não tenha vergonha de sair na rua, de dar a cara a tapa. É perfeitamente possível ser feliz em uma cadeira de rodas, muito mais do que muita gente que anda. É só correr atrás. Ou, no nosso caso, rodar."
Espero que tenham gostado. Até a próxima! Beijos

7 comentários:

  1. Bom eu ando tentando minha aposentadoria por invalidez pela justiça já que o inss não concede.Existe o fator que estando no mercado pode se ganhar mais, mas não ando animado para enfrentar apenas sub-emprego.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. é a primeira vez que vejo esse Blog e gostei.
    Tenho uma pergunta,
    Como um cara pode fazer um pic nic, com a namorada?
    sem mesa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Jan, bem você me deixou com "o tico e teco nervosos" kkkkkkkkkk vai depender do local que você monte seu picnic (parque, praia, campo ...) e também da tua capacidade física, a possibilidade de transferência da cadeira ... depois de analisado isso, é só curtir com a sua amada. Frutas, sanduiches, suco, água, uma música legal pra dar um clima.

      Excluir
  5. Muito bom esse post. Sabem de algum kit de motorização para cadeira de rodas, com preço acessível, e onde comprar? Desde já agradeço.

    ResponderExcluir
  6. NOSSA,É ISSO AI ESTOU PASSANDO POR ESA FASE DE LEVANTAR A CABEÇA,BORA SER FELIZ....

    ResponderExcluir