terça-feira, 27 de novembro de 2012

E tudo começou ...

A melhor parte de mim


Falar de si mesmo é algo muito complicado, porque às vezes nos alongamos em assuntos bobos e deixamos o que de fato importa meio de lado, mas vou tentar.

A distrofia apareceu na minha vida de uma maneira bem natural, se é que uma deficiência limitante pode ser assim considerada, mas eu nunca fui de brigar com um problema, sempre procuro contorná-lo, não gosto de bater de frente com ele, gastar energia a toa. Eu tinha quase 10 anos de idade quando começaram as quedas constantes, o andar meio rebolativo (eu achava que era charme meu, mas era apenas um sintoma da distrofia), já não subia escadas normalmente, além da dificuldade pra me levantar do chão. Eu sempre tive uma infância muito ativa, praticava esportes e com a evolução da distrofia fui deixando-os aos poucos, mas nada traumático. Até então eu não sabia o que tinha, fui a diversos médicos de especialidades diferentes, e cada um me vinha com um diagnóstico mais absurdo que o outro. Diziam que o meu andar era diferente por puro charme, ou que a solução seria me operar e colocar um calço de chumbo sob o osso do meu calcanhar pra igualar o tamanho das minhas pernas. Meus pais loucos sem saber a quem recorrer ficavam numa busca sem fim por respostas, até que um dia um ortopedista chamou a minha mãe e deu o veredito:” Mãe, não é da minha especialidade mas a Wivian tem uma Distrofia Muscular, é uma deficiência progressiva ..... e a senhora precisa ir atrás de maiores informações sobre o caso dela.”

Depois de ser diagnosticada, passei a dividir meu tempo entre os exercícios/escola/lazer. Foi uma época de mudanças radicais, na escola eu convivia normalmente com meus amigos e não tive problemas em explicar a minha atual condição, eu até os ensinava como deveriam me ajudar caso eu caísse. Morria de medo das brincadeiras maldosas dos meninos, e graças a Deus só ouvi um comentário que lembro até hoje: ”Eita, lá vem a perna de borracha.” Eu morria de vergonha do meu andar, e no recreio preferia ficar dentro da sala de aula pra evitar essas cenas e possíveis tombos. Em casa tudo transcorria normalmente. Não fui muito namoradeira e me tornei mais caseira. Quando fiz 18 anos perdi meu pai, minha fortaleza e base da família inteira. Tive que aprender a me virar sozinha, a agir por mim e me vi na posição de suporte pra minha mãe que se viu perdida com dois filhos que dependiam totalmente dela. Tomei uma importante decisão: assumi a cadeira de rodas como minha aliada de aventuras.

Meus maiores incentivadores e apoiadores foram meus amigos, sempre dando gás nos meus sonhos.  Como eu eles não viam dificuldades inacessíveis, estudávamos todas as possibilidades e fazíamos realmente “acontecer”. Minha mãe, sempre muito protetora, morria de medo das minhas invenções, mas com jeitinho eu sempre conseguia convencê-la. O maior desafio de todos foi o de entrar numa faculdade. Vários contras me atrapalhavam,  como a dependência física e o escudo da minha mãe. Meu irmão do meio cursava Comércio exterior na época, e um primo meu trabalha em uma faculdade de nome e tals, mas deixei claro que eu queria ser reconhecida pelas minhas escolhas e não por ser irmã de fulano ou prima de sicrano. Fiz o cursinho pré- vestibular, passei e me matriculei na faculdade. O primeiro dia de aula foi inesquecível. Quando cheguei lá, escoltada pela minha mãe, fui direto em um funcionário da faculdade. Apresentei-me, falei do curso que iria estudar e pedi ajuda para me guiar. Depois a convivência com meus colegas de turma, fez com que as dificuldades quase que sumissem.  

Minha alforria começou quando entrei na faculdade. Conheci muita gente, fiz amigos que me mostraram o mundo e as inúmeras possibilidades a minha frente. Comecei a trabalhar e passei a sair, frequentar shows, barzinhos .... me senti segura mesmo precisando da ajuda de alguém. Hoje não tenho medo de encarar lugares novos, gosto dos desafios, lógico que às vezes bate aquela insegurança, mas sei que sou muito mais que uma cadeira de rodas. Sou uma mulher inteligente e interessante, com sonhos e muita vontade de ir mais longe. E como costumo dizer, o céu é o limite!!!
                                                                            

19 comentários:

  1. Oi sou pai da Luciana, uma das inPerfeitas. Gostei bastante da sua história!! Está de parabéns!! Abraços, joão

    ResponderExcluir
  2. Conheço wivian há uns 2 ou 3 anos por intermedio do irmão dela e hj meu sócio Leopoldo. Não vou mentir que no começo tive um pouco de receio por não saber como agir para ser o mais natural, com o passar do tempo aprendir não como agir com eles (pq não tinha para que agir diferente) mas como agir com a vida pois tinha me deparado com pessoas que apesar de suas limitações vivem suas vidas com muita intensidade. Hj tenho eles como amigos ou melhor pessoas da qual não quero perder nunca o contato.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ela é maravilhosa mesmo Aldo. Espero que continue acompanhando nosso blog. Abraços!

      Excluir
    2. Muito obrigada amigo!! Aqui você vai perceber que TODOS nós apesar das imperfeições somos PERFEITOS e devemos valorizar cada dia. Vamos que vamos que o blog vai trazer muita coisa boa

      Excluir
  3. Olá, estou acompanhando o blog de vocês. Parabéns pela linda iniciativa. Vocês têm muito o que ensinar e mostrar para a sociedade. Linda iniciativa e parabéns por serem maravilhosas!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Marcela, obrigada! Que legal que gostou! Espero que acompanhe nossas histórias! Abraços!

      Excluir
  4. Minha bonequinha mais linda é assim que chamo você Wivian, me emocionei ao ver e ler seu blog, você é uma pessoal mais que especial, te desejo tudo de bom, você a Luciana e Débora, são três guerreiras...estão de PARABÉNS pela iniciativa. Um forte Braço dessa Loira que quer ver vc sempre Feliz. Bjus

    ResponderExcluir
  5. Essa é minha amiga Wivian... Mais de 16 anos de Amizade, sei que posso contar com ela em tudooo. Passamos momentos de tristeza e muitas alegrias nessa longa jornada, mas ela nunca deixou a PETECA cair... MINHA AMIGA É UMA GUERREIRA... S2
    Ass: Danda

    ResponderExcluir
  6. Falar da minha Wivian é muito fácil, são mais de 16 anos de amizade e admiração por ela, posso descrever Wivian com inúmeros adjetivos, mas que não caberiam aqui.
    Wi, vc é sem duvida um exemplo de vida para todos nós, pois problemas para vc, não são obstáculos, mas oportunidades ímpares de superação e evolução.
    Amiga, te amooooooooooooooooooooooo e cada dia que se passa tenho muito orgulho em poder dizer que, Wivian Maria Carneiro de Araújo é minha AMIGA.
    Ass: Aninha

    ResponderExcluir
  7. Muito obrigada amiga!!! Beijo no coração

    ResponderExcluir
  8. Caramba falar de VC Wivian.. Faz pouco tempo que a conheço,mas assim que ah conheci.Vi que era uma pessoa
    mas que ESPECIAL.
    Vc realmente amiga é GUERREIRA sempre com sorriso no rosto.
    Amiga adoro tú!. ♥ e tenho ORGULHO de ter vc como minha AMIGA!!
    ASS:Gil Maia

    ResponderExcluir
  9. Wivian, não sabia da existencia do blog, fiquei maravilhado ao ler as diversas historias. Ao ler sobre sua historia e a descoberta da "limitação" lembrei-me de nossa infância, muitas boas recordações, saudades daquele tempo, tempo onde via em seus olhos o brilho de querer viver sempre da melhor forma, brilho esse que enxergo ate hoje.O sorriso nunca mudou, mesmo com a ausencia do Sr. Fernando. Engraçado que nunca consegui enxergar essa "limitação", sempre a vi como a amiga que é, mesmo agora que um pouco distante, mas o carinho e a adimiração é forte simplismente pelo fato da sua força de vontade de sempre querer conquistar seu objetivos.Um abraço Amiga e sucesso. Plácido Freitas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eita Plácido .... amigo de infância, natação, filmes na tua casa, Tia Vera e o Tio Roberto, brincadeiras no prédio, enfim uma época muito boa mesmo. Muito obrigada por suas palavras e fique sabendo que a recíproca é verdadeira. Fico muito feliz em te ver bem e com uma família linda, a Andréia e o Zion. Beijos e fique a vontade para nos visitar sempre que quiser.

      Excluir