sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

Exercícios respiratórios


Atividade respiratória
Todos nós sabemos a importância dos exercícios físicos para uma pessoa com deficiência, sejam para trazer saúde e/ou para garantir uma melhor qualidade de vida.  Para os portadores da Distrofia Muscular não é diferente, talvez até ganhem um peso extra devido à complexidade e evolução da doença. Como já sabem, a Distrofia é uma doença que afeta determinados grupos musculares e com a sua evolução acaba comprometendo muitos outros órgãos também.  

O progredir da doença neuromuscular faz com que haja diminuição de volumes torácicos durante a inspiração e expiração e, devido à fraqueza na musculatura que envolve a coluna, as deformidades ósseas surgem e se tornam um agravante comprometendo a atividade pulmonar. Um resfriado ou uma tosse para pessoas com a distrofia é uma preocupação a mais, pois por não ter “força” suficiente não se consegue expelir a secreção e um quadro até então simples e solucionável com antitérmicos e vitaminas, evolui podendo se transformar em algo mais sério. Existe uma gama de exercícios específicos para cada grupo muscular, e que além de promover a longevidade dos movimentos também reabilitam. O que quero mostrar hoje são a importância e também alguns exercícios respiratórios que podem ser feitos dentro ou fora da água (eu prefiro na água, muito mais gostoso, mas quem não tiver a possibilidade de fazer uma hidroterapia não vai deixar de se exercitar, porque vou deixar opções fáceis!!). Alguns destes exercícios podem ser feitos sozinhos e outros precisam de acompanhamento de um profissional especializado.


SENTADO 


 São indicados para aprender a controlar e fortalecer a expansão do tórax. O paciente pode permanecer de pé ou sentado, apoiando as palmas das mãos sobre o tórax: durante a inspiração, deve efetuar uma ligeira pressão nas costelas, de modo a forçar e treinar os músculos inspiratórios; durante a expiração, as mãos devem acompanhar o movimento de retração da cavidade torácica e, no final, comprimi-la moderadamente para expulsar o máximo de ar possível.


 DEITADO

Quando inspiramos a caixa torácica se alarga e o ar penetra nos pulmões ocupando o espaço extra criado. Quando expiramos os músculos relaxam e a elasticidade do pulmão empurra o ar para fora. 
1.       Ponha uma das mãos na barriga (pode ser na área do umbigo) e a outra no peito;
2   Respire (inalando, para dentro) devagar e, para ajudar, conte até cinco, pausadamente. Se fizer corretamente, a barriga vai subir, na direção oposta à da sua coluna (que é a do chão, da cama etc.). Enquanto isso acontece, o seu tórax (peito) ficará um pouco mais largo e um pouco mais alto, na medida em que se encher de ar;
3 Agora faça o oposto: devagar bote o ar para fora (isso se chama expirar). Para ajudar a manter o ritmo você pode contar vagarosamente até sete ou oito (se for menos não importa). A barriga (e o umbigo) vai descer – na direção do chão, da cama, de onde você estiver deitado;
4 Aliás, o umbigo é um excelente indicador: ele sobe quando o ar entra (deixe que ele suba à vontade, sem forçar) e desce quando você estiver exalando, jogando fora ar usado e dióxido de carbono (que você não quer dentro de você!);
 Faça isso dez vezes, pelo menos duas vezes por dia, pela manhã e á noite. Se puder fazer mais, melhor; se não puder, comece com duas mesmo.


RESPIRAÇÃO PROFUNDA

A criança deve estar comodamente semi-sentada, com sob a cabeça e os ombros. Os joelhos devem ficar dobrados. O ajudante deve colocar as mãos de tal forma que os dedos fiquem virados para as costas e, suave mas firmemente, apertar a parte mais inferior da caixa torácica (a parte mais baixa do peito). Pede-se então a criança que encha o peito de ar o máximo que puder, tentando empurrar, com as costelas, as mãos do ajudante. Deve tentar manter o ar nos pulmões durante vários segundos. Repetir 10 vezes

 DRENAGEM POSTURAL
 Muitas crianças não conseguem eliminar secreções respiratórias, especialmente quando estão resfriadas. A drenagem postural é de muita utilidade. Faz-se uma cunha com almofadas duras ou com cobertores. A criança coloca-se de barriga para baixo sobre essa cunha, de modo a que o peito fique inclinado para baixo cerca de 45º. Deve permanecer nesta posição cerca de 10 a 20 minutos. Durante esse tempo, pedir-lhe para respirar profundamente. Deve fazer um intervalo entre cada respiração, para não ficar com tonturas. Esta posição baixa da cabeça é inadequada para crianças mais velhas. A posição da figura anterior pode ser usada com a criança deitada de lado com apoio de um travesseiro.

Para ajudar na hora de tossir, eu também achei uma boa dica:
Também é útil para eliminar as secreções pulmonares. Pode fazer-se enquanto faz-se  a drenagem postural, como demonstrado acima, ou então com a criança sentada, inclinada para a frente. Orienta-se a criança para que respire profundamente algumas vezes e depois que tussa. Isto ajuda a eliminar as secreções mais espessas desde a parte mais profunda dos pulmões até à garganta, para serem cuspidas. Depois de ter tossido 2 ou 3 vezes, deve descansar e respirar normalmente por algum tempo. Deve repetir-se várias vezes, intercalando períodos de respiração profunda. Se um dos pais ou ajudante apertar fortemente as costelas com as suas mãos, enquanto ela tosse, ajudará o esforço da criança. Este procedimento deve ser realizado após orientação de um fisioterapeuta. 
Gosto muito de frisar que não sou especialista, sou como vocês, uma curiosa e muito interessada em aprender exercícios uteis que nos auxiliem a ter uma melhor qualidade de vida. Vou disponibilizar os links dos sites que usei como pesquisa e peço a contribuição de vocês para acrescentar algo.
Beijo grande e inté mais

=)
http://www.distrofiamuscular.net/guia.htm











2 comentários:

  1. Que bom que gostou. Não deixe de conferir as novidades! Beijo e muito obrigada.

    ResponderExcluir