segunda-feira, 14 de janeiro de 2013

Relacionamento...é possível!!!

Relacionamentos!!! Assunto muito polêmico para a sociedade. Ainda mais se tratando de relacionamentos com pessoas que possuam algum tipo de limitação. Na maioria das vezes as pessoas ficam se perguntando como um cadeirante ou alguém com limitações mantem uma vida amorosa. Pois é pessoal, da maneira mais natural possível, todas as pessoas podem se relacionar.
Para quem é cadeirante, e tem alguma insegurança e pensa que não pode ter um relacionamento normal, temos acabar com essa visão. Principalmente as mulheres em si, elas pensam que precisam fazer posições malabarísticas para poder agradar um homem, que ele esta a procura de alguma gostosona (e imaginam o que a sociedade impõe como corpo perfeito), isso é bobagem, toda mulher tem seu charme e um jeitinho especial de ser. Todas podemos ser sexy, lindas e atraentes. E outra se ele te ama, ele jamais vai se importar com isso, agora se ele não quer nada com nada, meu bem, você pode virar de ponta cabeça, que o filho da mãe, vai procurar outra...kkkkkkkk. 



Eu creio que hoje, os tabus estão sendo quebrados, porém ainda existem certas dúvidas. Por exemplo de como chegar em um cadeirante, ou em outra pessoa com alguma deficiência. É simples, vocês podem chegar normalmente, se ele(a) tiver que te dar um fora, será um toco como outro, e se interessar por você, ficará como qualquer outra pessoa. Precisamos quebrar os paradigmas da sociedade e buscar o que queremos, o que desejamos. As pessoas em um modo geral tem medos e inseguranças, só não podemos deixar que isso afete nossas vontades e desejos. Um cadeirante pode sim ter prazer e dar prazer ao seu parceio sexualmente, eu sempre digo que existem duas coisas fundamentais numa pessoa: Olhos e boca...um simples olhar pode ser mais atraente do que qualquer corpão definido. De modo geral, num relacionamento entre duas pessoas, você tem que doar e receber para que a relação de certo os dois tem que estar olhando em busca das mesmas coisas, procurando os mesmos ideais. Eu tive um relacionamento longo, hoje sou solteira, mas posso garantir que a Distrofia não prejudicou e nem prejudica em nada, não sei ao certo como é a vida sexual de um cadeirante, mas posso dizer que deficiencia nenhuma prejudica em nada. Então nunca tenham medo de sentir, desejar, amar e principalmente de nos permitir...!!! Até breve! Beijos


Fonte: 

http://amoresexo-arte.blogspot.com.br/2012/11/a-vida-sexual-do-cadeirante.html

4 comentários:

  1. Amiga, como eu já te disse in box, você arrebentou! Falou com propriedade, sem medo e foi lindamente engraçada. Vi um vídeo e queria dividir não apenas contigo, mas com todas e todos que fazem desse blog um cantinho mágico de interação. Fala justamente de tudo isso abordado no teu post e deixa uma mensagem linda!

    Link do vídeo: http://www.youtube.com/watch?v=BoiIlx7KLy0

    Beijão e parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que ótimo amiga, quero passar exatamente isso para todos! E o vídeo é espetacular...e bem a realidade!!! Obrigada amiga por compartilhar!!! Beijãoo S2

      Excluir
  2. eu so discordo de um pequeno detalhe......uma pessoa que tem pe torto congenito nao passa por isso nao ....a mesma nao e estigmatizada sexualmente falando....ainda mais se a mesma for do tipo gostosona de academia...... nao me leve a mal mas e verdade...............

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, tudo bem!? O fato de ser "estigmatizad@" independe se a pessoa tem ou não deficiência, vai do grau de interesse e de entendimento de cada pessoa. O que é bonito e instigante pra mim pode não ser pra você ou para outra pessoa, entende. O que queremos deixar claro aqui no blog, é que precisamos aprender a viver da melhor forma possível com as nossas limitações. Que não podemos (nem devemos) nos comparar a ninguém e muito menos nos impor a um padrão, pois isso não existe. Cada um tem seus atributos de forma única, ninguém é igual, e temos que aprender a valorizar o que temos de melhor.
      Um beijo grande e fica a vontade para nos visitar e colaborar com suas opiniões.

      Excluir